Alex Gonçalves- DRT-4240
Queiram ou não, esta é  minha Opinão

O Coronelismo é um fenômeno da política brasileira ocorrido durante a Primeira República. Caracteriza-se por uma pessoa, o coronel, que detinha o poder econômico e exercia o poder local por meio da violência e trocas de favores.

Não precisamos ir  muito longe para comprovar que a prática que já deveria ter sido abolida no Brasil, ainda existe em alguns lugares de gente civilizada que ainda presencia e muitas delas (muitas pessoas)  são obrigadas a conviver com essa péssima atitude.

É assim na cidade do Barro, Ceará, onde o grupo de oposição ao prefeito, Dr. Marquinélio Tavares, adotou práticas antidemocráticas baseadas em um modelo arcaico e perigoso nutrido por um sentimento de vingança, raiva, ódio e que, para eles, tudo vale para tentar voltar ao poder.

Para o grupo de oposição do Barro, que tem seu conselheiro maior um senhor que iniciou a carreira política baseada em princípios adotados por  coronéis, ainda tenta empregar a  repressão e manter a base política, no Barro, ao mesmo tempo em que preserva seus próprios interesses.

Os últimos atos empregados pela oposição barrense são, sem dúvidas, repugnados pela população. Os ataques ao direito de imprensa livre foram cerceados, reprimidos aonde profissionais, do ramo, foram retirados do ar e sofreram ataques pessoais e profissionais ao exibir um programa jornalístico em uma emissora local de concessão pública, onde lá não se pode exercer o que manda a lei de imprensa para o bem do povo (repressão).

É preciso que toda a população do Barro, cerca de 23 mil habitantes segundo o IBGE, avalie as formas de governo que estão expostas no município.

De uma lado, um grupo que governa, atualmente o município, democraticamente,  aberto ao diálogo e prima pela boa conduta com embates políticos no campo das ideias democráticas sem usar o mal da perseguição política.

De outro lado,  um grupo partidário de oposição que usa a força, a ignorância, a truculência e os moldes do coronelismo para amedrontar profissionais de  imprensa e o povo, as quais muitas das vezes são indefesas e frágeis do ponto de vista social e intelectual.

Estamos vivendo um ano eleitoral, não podemos  cair no conto do vigário e retroceder ao tempos do chicote. Vamos lutar cada vez mais pela liberdade e pelo extermínio da política do cabresto. Viva a Democracia!! Viva o Barro.

Compartilhar:
Alaninfo

ALEX GONÇALVES

Alex Gonçalves é radialista DRT4220-PB.Natural de São José de Piranhas, fomado em Letras pela UFCG. Atua no ramo de jornalismo há 15 anos, foi editor repórter do portal Radar Sertanejo durante nove anos.É funcionário público estadual desde 2010 e atualmente apresenta o programa Radar em Alerta na Terra Nova FM.

3 Deixe Seu Comentário

  1. É esse tipo de matéria que o torna cada vez mais sem credibilidade. Jornalismo falido baseado em inverdades. Sinto muito, mas você decepciona seus leitores.

    ResponderExcluir
  2. materiazinha desqualificada joralistazinho pé de chinelo sujeito aí não conhece nosso povo nossas lutas e demandas esse forasteiro tá mau informado minha opiniao

    ResponderExcluir
  3. Acho que essa matéria é que foi escrita baseada na raiva e ódio, lamento mais o povo do município do Barro, saúde, universitários, etc, estão abandonados, rua no centro da cidade a mais de semanas as escuras, hospital Santo Antônio dá pena, tem bons profissionais, mas nem um raio X não faz, nem mesmo uma mulher ganha bebê, tudo é o Brejo Santo, os jovens estão a mercê das drogas e vadiagem, pois a prefeitura não tem um projeto que incentive os jovens a estudar, ou fazer faculdade, quando se consegue entrar em uma faculdade a prefeitura nem com o transporte escolar não ajuda, a prefeitura não oferece para a juventude nem um curso preparatório para o ENEM, para aqueles que sonham fazer uma faculdade e não conseguirão ainda, não tem projeto pra nada a não ser vencer as eleições, o esforço que eu vejo aqui no Barro é pra fazer festas e o futuro dos jovens e do povo pobre que se foda, e eu nem falei da situação que está a rodoviária, os ônibus estão parando em um posto, alí não é lugar o município tem rodoviária. Não me leve a mal colegas jornalistas, mas com todo respeito só quem sabe é quem sofre, o povo aqui sabe o que tá sofrendo.

    ResponderExcluir